Brabham Racing Organization - Equipes de Fórmula 1

Primeira Temporada 1962
Último Grande Prêmio GP da Hungria de 2002
Anos que permaneceu na Formula 1: 30 anos
Fundador Jack Brabham
Últimos Pilotos Damon Hill | Giovanna Amatti
Melhor Classificação da Equipe no Campeonato: 1º em 1966 e 1967

A história da Brabham Racing Organization

Jack Brabham decidiu abandonar a Cooper no fim da temporada de 1961 para estabelecer sua própria equipe.

Ron Tauranac, um amigo de Brabham e ele próprio, como engenheiro principal, desenvolveu o carro de BT3 Brabham F1 o qual estreou em Nurburgring em 1962, sendo pilotado pelo próprio, Jack Brabham. O motor usado na temporada, foi o Climax V8 de Coventry.

Em 1964 a equipe de Brabham conquistou sua primeira vitória com o carro BT7 pilotado pelo americano Dan Gurney. No fim de 1965 foi feita uma mudança para um motor a 3 litros e com a retirada do fabricante de motores Clímax, Brabham usou motores fabricados pela montadora Repco. Com confiabilidade do novo motor, Jack Brabham foi campeão em 1966 com uma vantagem considerável, comparado a John Surtees, segundo colocado. No ano seguinte, Denny Hulme, piloto Nº 2 da equipe, conquistou mais um título de pilotos para a equipe.

Na temporada de 1969, Jackie Ickx, piloto belga substituiu Denny Hulme após ter ingressado para a McLaren. Agora com motores Ford, Ickx foi o vice-campeão da temporada.

Jack Brabham continuou a competir em seus próprios carros, mas em 1970 com 44 anos de idade, com 14 vitórias decidiu aposentar-se e retornar à Austrália. E assim, ele vendeu sua equipe.

A partir daí, a equipe não conseguia mais se manter em tão alto nível.

Na década de 70, Ron Tauranac permaneceu como o engenheiro principal, porém, o relacionamento com Bernie Ecclestone, um dos diretores da equipe, não era o dos melhores.

Em 1976 após uma associação longa com Cosworth, Niki Lauda, juntou-se a equipe. Lauda venceu logo na estreia no GP da Suécia, contudo, a FIA o desclassificou.

A montadora Alfa Romeu continuou fornecendo motores V12, contudo, a combinação “Brabham-Alfa” não permitiu que Lauda obtivesse o rendimento desejado. Em 1979, a equipe fechou a temporada apenas na 9ª posição, nos construtores.

Da "Glória" Ao Fracasso da Brabham

Mais tarde, o talentoso piloto brasileiro Nelson Piquet se juntou a equipe Brabham. Contudo, na década de 80, a glória da equipe estava em declínio.

Em 1981, Nelson conquistou seu primeiro título mundial. Em 1982, a equipe se juntou a BMW (com motores turbo) e em 1983, Piquet consagrou-se bicampeão mundial de pilotos. Depois desse sucesso a equipe entrou em decadência, quando em 1986, Piquet foi transferido para a Williams. Para piorar a situação o talentoso engenheiro Gordon Murray, deixou a equipe para juntar-se a McLaren.

A falta do sucesso foi refletida nos patrocinadores que financiavam a equipe. Mesmo fazendo parte do grid de 1987, Bernie Ecclestone decidiu que era hora de fechar as portas e conquistar um cargo na administração da F1.

A equipe Brabham, entretanto, retornou à Formula 1 em 1989 após ser vendida a um empresário suíço. A equipe mudou de dono e continuou até 1992.

Portanto, Nelson Piquet, foi o último "lampejo" de sucesso na equipe Brabham, conquistando 2 títulos mundiais

Tentativas Apelativas da Brabham

A equipe não conseguia nada, por isso, para chamar a atenção usou métodos bizarros. Sabe o que fizeram? Primeiro, contrataram uma mulher como piloto, que nunca andou forte em categoria nenhuma. De início a equipe fez sucesso na mídia, mas ela fez tanta lambança que a equipe a dispensou. Segundo, contrataram Damon Hill. Afinal ele é filho de um grande campeão da categoria. Embora tudo isso tenha rendido algumas fotos, manchetes e publicidade, a equipe mal conseguia se classificar para as corridas. Assim decidiram mais uma coisa.

“Fazendo valer a máxima "Quer aparecer? Pendure uma melancia no pescoço!", a equipe inglesa adotou o equivalente para o automobilismo: "Quer aparecer? Pinte o seu carro de cor-de-rosa!" A equipe fez mais ou menos isso, ao pintar seus carros com uma combinação histórica! Misturou azul-claro, azul-escuro com rosa e branco!!! Depois disso a equipe logo fechou as portas”, assim declarou um dos blogs mais populares sobre Formula 1, o Blog do Capelli.

Assim, Brabham conseguiu ser até hoje uma das equipes mais lembradas pelos acompanhantes da Formula 1, tanto por suas conquistas, tanto por suas bizarrices.

Gostou da matéria? Ajude o site. Compartilhe já nas redes sociais abaixo :) :

Brabham, Equipe histórica de Formula 1 de 1962 - by ultimatecarpage.com

Brabham, Equipe histórica de Formula 1 de 1969 - by f1sport.autorevue.cz

Brabham, Equipe histórica de Formula 1 de 1969 - pistonheads.com

Brabham, Equipe histórica de Formula 1 de 1975 - by tudotudoall.blogspot.com

Brabham, equipe histórica da Formula 1 de 1978 - by motorsport-consult.com

Brabham, equipe histórica da Formula 1 de 1981 - by globoesporte.globo.com

Brabham, equipe histórica da Formula 1 de 1982 - by wikipedia.org

Brabham, equipe histórica da Formula 1 de 1987 by andreadecesaris.metrona.sk

Brabham, equipe histórica da Formula 1 de 1990 by rafaelschelb.wordpress.com

Brabham, equipe histórica da Formula 1 de 1992 - by bandeiraverde.com.br

Brabham, equipe histórica da Formula 1 de 1992 - by flickriver.com

Estatísticas da Brabham Racing

Grandes Prêmios 394 Quem mais venceuNelson Piquet
Pole Positions 39 Mais conquistou titulos Nelson Piquet
Melhores Voltas 41 Quem mais chegou ao pódioNelson Piquet
Vitórias 35 Maior tempo de equipeNelson Piquet
Titulos 2 Pontos consquistados na F1864