Arrows - Equipes de Fórmula 1

Primeira Temporada 1978
Último Grande Prêmio GP da Alemanha de 2002
Anos que permaneceu na Formula 1: 24 anos
Fundadores Franco Ambrosio, Alan Rees, Jackie Oliver, Dave Wass, Tony Southgate
Últimos Pilotos Henrique Bernoldi | Heinz-Harald Frentzen
Melhor Classificação da Equipe no Campeonato: 5º em 1988

A história da Arrows

Conhecida como a maior perdedora da Fórmula 1 (por permanecer na Formula 1 por mais de 20 anos sem uma única vitória), a equipe Arrows nasceu em meados de 1977, formada por um grupo técnico da equipe rival Shadow. O nome Arrows, inclusive, é um nome composto pelas iniciais dos sobrenomes de seus fundadores: Franco Ambrosio, Alan Rees, Jackie Oliver, Dave Wass e Tony Southgate. (A outra letra R que compõe o nome Arrows, foi incluído para a dar a pronuncia correta).

Antes mesmo de estrear na categoria, a nova escuderia viu-se envolvida numa controvérsia quando foi levada aos tribunais pela Shadow, que a acusava de plagiar seu modelo DN8. A ação foi julgada e a Arrows foi obrigada a modificar seu projeto construindo as pressas o novo FA-1.

O novo carro não ficou pronto a tempo para a abertura do Mundial de 1978, no GP da Argentina. A equipe pôde estrear no mundial, na segunda etapa, no GP do Brasil. No decorrer da temporada, a equipe mostrou-se bastante competitiva, levando o novato Riccardo Patrese a um belíssimo segundo lugar no GP da Suécia, mas isso foi só.

No final da temporada, Arrows inovou ao acertar uma parceria com a empresa norte-americana USF&G. O dinheiro injetado foi importante para uma reestruturação da equipe, que neste período atingiu seu auge ao obter a quarta posição entre os construtores de 1988, empatando com a Lotus. Apesar desta histórica campanha, seus dois pilotos, Derek Warwick e Eddie Cheever, jamais estiveram sequer perto de uma vitória.

Arrows e a era Footwork

A parceria com a empresa norte-americana teve fim em 1989. No lugar da USF&G a diretoria fez parceria com um grupo japonês do ramo de transportes, chamado de Footwork.

Vendo na Formula 1 um excelente investimento, o empresário Wataru Ohashi, presidente da Footwork, comprou as ações da equipe e, a partir de 1991 a Arrows passou a ser chamada pelo mesmo nome de sua empresa, Footwork.

Os planos ambiciosos de Wataru Ohashi de levar a sua equipe ao topo da Formula 1, logo se comprometeram devido ao malsucedido acordo com a Porsche em 1991, que jogou por terra qualquer chance da escuderia naquela temporada. A empresa alemã havia desenvolvido um pesado e obsoleto motor V12 que poucas vezes permitiu que os carros da equipe conseguissem se classificar para as corridas.

Em 1992 a Footwork buscou parceria com a fabricante de motores Mugen/Honda, que deram novo impulso à equipe. Quando os resultados começaram a surgir, a fonte financeira secou-se. Endividado, o grupo Footwork deixou a equipe novamente no controle de Jackie Oliver, o único fundador remanescente.

Sem gás financeiro para dar ao time a competitividade suficiente, Oliver manteve seus carros no grid de forma modesta por mais algumas temporadas, à exceção do ocasional terceiro lugar de Gianni Morbidelli no GP da Austrália de 1995.

Em meados de 1996, Jackie Oliver vendeu sua equipe para o astuto escocês Tom Walkinshaw, dono do grupo TWR (que competia no mundial de marcas em parceria com a Jaguar) e ex-acionista de Benetton e Ligier.

A nova esperança da Arrows: Damon Hill

A cartada mais ousada de Walkinshaw foi contratar o então campeão do mundo Damon Hill para seu time, pagando a ele um salário milionário. Para trazer mais investidores, Walkinshaw contratou o filho do magnata brasileiro Abílio Diniz, Pedro Paulo Diniz, até então piloto da Ligier.

Alegre e entusiasmado, Walkinshaw passou a pré-temporada inteira de 1997 anunciando vitórias, o que acabou não ocorrendo. Damon Hill quase chegou lá. No GP da Hungria, Damon Hill fazia uma excelente corrida aliada a uma boa estratégia. Sua vitória estava garantida, quando na última volta, um defeito hidráulico em seu acelerador, lhe tirou qualquer chance de vitória, terminando assim, a corrida em segundo lugar.

Mas o pódio não deixou de ser um consolo: Foi um dos únicos momentos de brilho da Arrows numa temporada próxima da mediocridade. Hill abandonou o barco no ano seguinte para juntar-se a Eddie Jordan, e a Yamaha, fornecedora dos motores naquele ano, deixou a Fórmula 1 ao término da temporada.

Walkinshaw, comprou de última hora, a desenvolvedora de motores de propriedade de Bryan Hart. O resultado foi outro fracasso e a equipe ficou extremamente endividada.

Em 1999, a solução encontrada por Walkinshaw foi vender cotas de sua equipe para um exótico príncipe nigeriano chamado Malik Ibrahim Ado, o que também se revelou um erro. Malik deixou o time no final da temporada sem ter conquistado os patrocinadores que havia prometido. Para manter os carros no grid pelo menos até o fim da temporada, a equipe dispensou seus pilotos Pedro Paulo Diniz e Mika Salo e os trocou por Pedro de la Rosa e por Toranosuke Takagi.

O Fim de Um Sonho

Em 2000, Tom Walkinshaw esperava melhores resultados para sua equipe. Desistiu de vez dos motores próprios e agora a Arrows passou a ser impressionada pelos motores Supertec. O piloto espanhol Pedro de la Rosa permaneceu no time depois da fraca temporada de 1999, e para substituir o trapalhão Toranosuke Takagi foi recrutado o experiente holandês Jos Verstappen.

Mesmo trocando de motores e pilotos, a equipe não conseguia alcançar os resultados esperados e apenas tinha carro para disputar com a Minardi.

Em 2002, Tom Walkinshaw fez um acordo, no qual a Cosworth lhe forneceria seus motores V10 e Henrique Bernoldi (apoiado pela Red Bull) com Heinz-Harald Frentzen comporia a dupla de pilotos.

Mas a equipe ficou endividada até os cabelos e sem conseguir os resultados que deveriam conquistar, Orange Arrows faliu e fechou as portas sem mesmo completar a temporada.

Em 2003 um último investimento feito por Tom daria a Arrows uma última chance de entrar no grid, mas esse projeto foi barrado pela FIA.

A equipe e sua estrutura toda foi vendida. Minardi se beneficiou dessa venda e passou a utilizar o equipamento e o chassi nas temporadas seguintes. Mais tarde, a Minardi fechou as portas, dando lugar ao time japonês F1 Super Aguri.

Mesmo sem vitórias em toda sua história, Arrows alcançou o número de Grande Prêmios disputados que apenas as grandes equipes da Formula 1, tais como a Williams, McLaren e Lotus possuem.

Gostou da matéria? Ajude o site. Compartilhe já nas redes sociais abaixo :) :

Arrows, Equipe histórica de Formula 1 de 1978 - by carrodecorrida.blogspot.com

Arrows, Equipe histórica de Formula 1 de 1979 - by turkiyef1.com

Arrows, Equipe histórica de Formula 1 de 1981 - pordentrodosboxes.blogspot.com

Arrows, Equipe histórica de Formula 1 de 1984 - by wikimedia.org

Arrows, equipe histórica da Formula 1 de 1985 - by f1-facts.com

Arrows, equipe histórica da Formula 1 de 1986-1987 - by f1mania.net

Arrows (Footwork), equipe histórica da Formula 1 de 1993 - by junglekey.fr

Arrows (Footwork), equipe histórica da Formula 1 de 1994 - by f1-history.deviantart.com

Arrows (Footwork), equipe histórica da Formula 1 de 1995 - by historyf1.narod.ru

Arrows (Footwork), equipe histórica da Formula 1 de 1996 - by imgur.com

Arrows, equipe histórica da Formula 1 de 1997 - by rodrigomattardotcom.wordpress.com

Arrows, equipe histórica da Formula 1 de 1997 - by f1-history.deviantart.com

Arrows, equipe histórica da Formula 1 de 1998 - by f1-history.deviantart.com

Arrows, equipe histórica da Formula 1 de 1999 - by f1-history.deviantart.com

Arrows, equipe histórica da Formula 1 de 2001 - by blogdocapelli.warmup.com.br

Arrows, equipe histórica da Formula 1 de 2002 - by diariomotorsport.com.br

Estatísticas da Arrows (incluíndo a Footwork)

Grandes Prêmios 323 Quem mais venceuninguém
Pole Positions 1 Mais conquistou titulos ninguém
Melhores Voltas 0 Quem mais chegou ao pódioRiccardo Patrese
Vitórias 0 Maior tempo de equipeRiccardo Patrese
Titulos 0 Pontos consquistados na F1167