F1 – Virtual Vs Real

PS: Fazia algum tempo que eu pensava em escrever uma matéria abordando este assunto. Esses dias eu li um artigo falando exatamente sobre essa questão e fiquei mais interessado em falar sobre isso. Link deste artigo.

Com a tecnologia avançando cada vez mais, os jogos e simuladores de maneira geral estão cada vez se aproximando do mundo real. Para quem tem esses jogos, é fácil se sentir um piloto de verdade, ainda mais quando temos equipamentos tais como volantes, pedais, cockpit e etc.

Certa vez, o ex-piloto de Formula 1, Nelson Piquet, afirmou que, embora os games dê uma boa noção sobre o traçado da pista e do carro, a realidade virtual está muito longe da “realidade real”.

O piloto Hugo Araújo, antes piloto virtual, e atualmente piloto de carros de verdade, comparou a diferença entre o real e virtual. Ao ser entrevistado pela revista Auto Sport, ele declarou:

– Nos simuladores todas as sensações são passadas através do Force feedback do volante e na vida real, sentimos através do chassi em todo o corpo, com maior incidência da coluna e das costas. Essa é sem dúvida a grande diferença que impossibilita alguns pilotos das corridas reais de serem grandes pilotos nos simuladores e vice-versa.

Com a experiência relatada por estes dois profissionais, fica claro a grande diferença entre o virtual e o real. Contudo, existem situações singulares em que só acontecem em uma prova virtual. Estas por sua vez, podem fazer com que o virtual seja tão desafiador quanto o real. Como assim?

(Existem muitos simuladores e jogos de corrida no mercado. Aqui eu vou abordar alguns jogos de PC, que já testei e que são mais voltados à simulação)

O desafio do piloto real – O desenvolvimento do carro.

O desempenho do piloto não depende apenas de suas habilidades. Ele depende muito a começar pelo desenvolvimento do carro.

O desenvolvimento do projeto de um carro, pode levar um ano ou mais. Requer profissionais altamente capacitados nos campos de física, engenharia, mecânica e design e logística. Para o sucesso do projeto, é muito importante também a participação do piloto no desenvolvimento do carro.

É claro que isso pode ser comparado ao desenvolvimento do simulador. No entanto, normalmente o piloto virtual ou o jogador já recebe tudo “mastigado” e simplesmente é só sentar e dirigir.

O desafio do piloto real – As forças G.

Um dos maiores desafios de um piloto real sem dúvida são as forças da física atuando sobre ele e o seu carro. Quanto maior a velocidade do carro, mais as forças da física afetarão o piloto.

Por isso, o sucesso depende muito também de sua preparação física e mental. Um piloto se submete a uma desgastante rotina de exercícios físicos, especialmente para fortalecer os músculos do pescoço. Além disso, o piloto precisa seguir uma rotina nutricional para alcançar melhores resultados.

Diferente do piloto real, obviamente o piloto virtual não se machuca. Ele pode bater o carro a vontade que nada vai lhe acontecer. Já o real, pode se ferir e até morrer durante uma corrida.

O desafio do piloto real – Condições de tempo e pista

Além do desenvolvimento do carro e as forças da física, as condições climáticas afetam todo o comportamento do carro – Calor, frio, sol, chuva, pressão atmosférica, velocidade do vento, humidade relativa do ar, temperatura ambiente e temperatura da pista, altura da região, poluição, sujeiras e muitos outros fatores.

Os simuladores virtuais de hoje não conseguem criar todas estas situações e nem conseguem simular cada uma de suas variações climáticas.

O desafio do piloto real – Problemas mecânicos.

Devido a grande complexidade envolvida, é difícil os simuladores modernos recriar cada possível problema técnico de cada componente, seja ele, mecânico, hidráulico, eletrônico e etc.

Por mais que sejam realistas, nenhum deles, como por exemplo, Rfactor 1 e 2, Asseto Corsa e Automobilista, algum dos pneus estoura sozinho, como acontece as vezes em corridas de Formula 1.

Assim, por mais realista que sejam os simuladores modernos, o piloto virtual não se submete a cada situação de uma corrida real. No entanto, existem algumas situações que o piloto virtual se depara que não acontece no real. Vamos ver algumas delas:

Os Desafios do piloto virtual

Eu nunca pilotei um carro em uma corrida de verdade, apenas tenho experiência no virtual. Assim, as experiências que vou relatar aqui foram adquiridas pilotando nos seguintes simuladores: F1 Challenge 99-02, Grand Prix 2 e 3, Rfactor 1 e 2, Automobilista e Asseto Corsa.

Os Desafios do piloto virtual – A Compra de Equipamentos

É muito difícil nos dias de hoje comprar todo equipamento apropriado para aproveitar ao máximo os recursos dos simuladores, tais como volantes, pedais, passadores de marcha, um bom CPU, um bom monitor e etc.

O primeiro conjunto que tive, da marca Bridge, em poucos meses, o pedal dos freios quebrou no meio de uma sessão de treinos no F1 Challenge e não teve mais conserto. Além do mais, as borboletas, aquele passador de marcha atrás do volante, estavam lá só por enfeite.

O segundo conjunto que tive, o Momo Logitesh, ao meu ver ele é muito bom, mas o ângulo de giro dele é de apenas 90º e algumas pessoas reclamavam que havia uma falha na mecânica fazendo com que o acelerador respondesse a pisada com atraso, resultando em perdas de tempo significativos durante uma volta rápida.

Já os volantes mais recomendados, Logitesh G27, G29, Thundermaster MX e outros possuem um preço bem salgadinho para a maioria das pessoas.

Além do mais, é muito recomendado a compra de um cockpit para se posicionar bem em frente ao volante, pedais e monitor.

Por fim, é recomendado o uso de 3 monitores, ou óculos Rift (ou óculos de realidade virtual) que por sua vez requer uma boa placa de vídeo. Todos estes equipamentos são muito caros.

Assim, não só pela experiência, mas também pelo desempenho, o piloto precisa comprar um bom equipamento, do mouse ao monitor para se sair bem no virtual. No real, o piloto não precisa se preocupar com isso, já que todo o “kit” vem junto com o carro.

Os Desafios do piloto virtual – Falhas no equipamento

Como citado a pouco, os simuladores virtuais não conseguem recriar cada situação de um piloto real. Mas existem alguns imprevistos e situações que só o piloto virtual passa:

Legs e Bugs – Quem já não se atrapalhou com aquelas travadinhas no jogo no meio de uma corrida ou de uma curva ou algum mod bugado ?

FPS – Ou frames por segundo. Quanto maior os frames ou FPS, mais o jogo vai fluir normalmente. Um piloto virtual precisa se preocupar com ele o tempo todo. A queda dos frames, mesmo sem dar Legs, podem atrapalhar um piloto virtual. Há campeonatos virtuais que exigem um número mínimo de FPS para o piloto poder participar. Um piloto real não precisa nem saber o que é um FPS.

Falha do sistema operacional – É comum o jogador ter que sair do jogo por alguma falha no sistema e ter que reiniciar o computador.

Apagão e quedas de conexão – Nenhum piloto real abandonaria uma corrida por queda de energia ou conexão à internet. Muitos campeonatos virtuais preveem essas situações e as consideram “como situações normais de corrida e abandono”. Se o for prejudicado por essas coisas numa corrida virtual, precisa abaixar a cabeça e se preparar para a próxima corrida.

Configurações inapropriadas – Cada simulador tem sua própria configuração. Um piloto de primeira viagem, ou até os mais experientes precisa de um tempo e experiência para ajustar volante, pedais e etc.

Os Desafios do piloto virtual – Falta de tempo

A maioria dos pilotos reais vivem disso e ganham muito por isso. Já um piloto virtual, tem sua rotina e a falta de tempo atrapalha nos treinamentos e assim fica mais difícil conseguir explorar seus limites.

Os Desafios do piloto virtual – Pouco conhecimento técnico

Também por falta de tempo, muitos pilotos virtuais não conseguem aprender a cada detalhe técnico de ajustes tanto no jogo como no carro.

Por exemplo, certa vez, o veterano piloto, Rubens Barrichello, foi convidado a participar em uma corrida virtual online. Ele largou na frente, liderou a corrida, mas após uma parada nos boxes, ele perdeu rendimento, rodopiou e abandonou a corrida. Mais tarde ele explicou que sem querer colocou pneus de chuva ao invés de pneus para pista seca.

Pelo menos, no meu caso, é muito comum me atrapalhar quando preciso fazer pit-stops. Se até o Barrichello se atrapalhou, então isso não é tão incomum!

Da mesma forma, muitas vezes a dificuldade em dirigir o carro não é por falta de capacidade, mas o ajuste correto do carro.

Os Desafios do piloto virtual – Falta de suporte

Um piloto real tem todo o suporte de sua equipe para encontrar o melhor ajuste do carro e também para lhe ajudar a controlar seu ritmo durante uma sessão. Também a equipe ajuda o piloto a corrigir e evitar erros.

Além do mais, a equipe avisa ao piloto quando deve entrar no boxes ao trocar os pneus ou trocar alguma peça do carro.

Já o piloto virtual não tem esse suporte. Ele precisa se virar sozinho e confiar nos dados limitados que aparecem na tela.

Se ele está exagerando ou poupando demais o equipamento, ele próprio precisa discernir isso.

Os jogos tais como F1-Challenge e GP3 que a condição de tempo e pista mudam na mesma corrida – Pista seca, molhada ou muito molhada – O piloto virtual precisa saber escolher quais são os pneus mais apropriados para aquela situação e o momento ideal de fazer a troca. O F1 Challenge por exemplo, mal tem diferença visual entre pista seca e molhada. Então o jogador precisa sozinho definir qual a estratégia que vai usar.

Os Desafios do piloto virtual – Situações Particulares

Nenhum piloto real perderia a concentração por causa do telefone tocando ou cachorro latindo. Nenhum piloto real seria atrapalhado porquê do nada a mãe chamou ele para alguma tarefa ou para lhe dar alguma bronca.

E o que dizer dos insetos? Nenhum piloto real deve ter sido atrapalhado por pernilongos durante a corrida, ou pernilongo zumbindo e moscas no ouvido ou aquele monte de bichinhos pousando na tela ou picando o seu pé.

Será que algum piloto real precisou parar porque o carro encheu de água? Uma vez precisei parar porque durante uma chuva a agua da chuva começou a entrar dentro de casa.

F1 real vs virtual by Youtube Foto Reprodução

Qual é o mais difícil – Virtual ou real?

Do ponto de vista físico, obviamente o real é mais difícil, ainda porque todo o piloto está arriscando sua vida.

Mas além do virtual simular algumas dificuldades da realidade, há também muitos desafios e aspectos impares que só o virtual tem.

Portanto, com esse ponto de vista é difícil responder categoricamente qual é o mais difícil. A certeza é que cada tipo tem suas próprias dificuldades e aspectos impares.

E você o que acha?