Danilo Santos As Crônicas de um Piloto

Crônicas de Danilo Formula 1

As Crônicas de um Piloto

Capítulo 12 - O Pesadelo de Danilo

Assim como um carro de Fórmula 1 passando por uma reta a 340 km/h, assim passaram as duas semanas e como um piscar de olhos, o final de semana para o GP do Canadá chegou.

Todos estavam nas Américas, onde seria realizado o 1º GP no continente.

Na Ferrari as coisas parecia estarem melhores. O carro estava mais rápido e os dois pilotos estavam confiantes.

Porém, Danilo observava cada vez mais claramente que a equipe estava dando mais apoio ao Michel.

No mesmo fim de semana, a Federação divulgou uma nota, no qual dizia que, a desclassificação do título de Danilo foi devido a uma suposta irregularidade no processo de relargada no GP do Japão, última corrida da temporada passada. Para muitos especialistas a Federação apenas encontrou uma maneira de abafar e se livrar de uma vez da polemica que envolveu esta decisão tão estranha.

Na McLaren a situação não estava muito bem. Montoia estava demasiadamente descontente com a equipe e com a F1 e, por esta razão, o chefe do time optou que Pedro de la Flor o substituísse novamente.

O acompanhamento psicológico de Fisichella, piloto da Renault, estava dando resultados muito positivos e ele está novamente tão animado, quanto o 1º GP do ano, o qual foi vencedor. Embora Danilo tenha ido bem aos treinos de sexta, sábado, seu desempenho foi totalmente diferente.

Ele não teve uma boa noite de repouso e talvez isso tenha afetado seu desempenho principalmente na sessão de classificação.

Embora estivesse se esforçando para esquecer Pérdula, muitas vezes as memórias dela o perseguia como uma sombra, e todo o seu esforço anterior havia se tornado em vão.

Formula 1 - As Crônicas de Um Piloto 2005 - Danilo Santos

Formula 1 - As Crônicas de Um Piloto 2005 - Danilo Santos

Formula 1 - As Crônicas de Um Piloto 2005 - Danilo Santos

Formula 1 - As Crônicas de Um Piloto 2005 - Danilo Santos

Formula 1 - As Crônicas de Um Piloto 2005 - Danilo Santos

Formula 1 - As Crônicas de Um Piloto 2005 - Danilo Santos

Formula 1 - As Crônicas de Um Piloto 2005 - Danilo Santos

Formula 1 - As Crônicas de Um Piloto 2005 - Danilo Santos

Formula 1 - As Crônicas de Um Piloto 2005 - Danilo Santos

Formula 1 - As Crônicas de Um Piloto 2005 - Danilo Santos

Formula 1 - As Crônicas de Um Piloto 2005 - Danilo Santos

Formula 1 - As Crônicas de Um Piloto 2005 - Danilo Santos

Naquela noite, enquanto dormia, sua mente misturou várias épocas de sua vida todas em um sonho:

- Eu estava sozinho, no meio da rua, em frente a casa de Pérdula. A rua estava totalmente deserta. Nem mesmo havia carros estacionados. Observei que eu estava vestido com uma camiseta cinza escura muito resistente e por cima um quimono e também uma larga calça azul, roupas que eu muitas vezes usei no passado.

Logo em seguida, vi que, diante de mim, estava Dolo. Dolo queria lutar contra mim, assim como havia feito anteriormente, no ano passado. Dolo estava muito confiante e eu estava tranquilo, pois eu sabia que seria tolice iniciar aquele confronto. Eu não queria lutar!

Ele estava numa distância relativamente grande de mim. Mas, sem eu perceber, ele se aproximou rapidamente e me deu um golpe que fez com que eu fosse arremessado a muitos metros de distância. Caí ao chão, mas meu corpo continuou se arrastando e deixando uma marca no asfalto. Eu não sabia de onde ele tirou toda aquela força. Era para ele ter a força de um jovem comum de sua idade. De qualquer forma, eu me levantei e, tão rápido (ou mais) quanto uma bala, usei toda minha velocidade para atacá-lo. Durante a aproximação me transformei em “Super Danilo”. Minha velocidade e minha força triplicaram.

Mas ao tentar golpeá-lo, ele desapareceu. Por isso, golpeei o vento. Olhei para todos os lados para tentar acha-lo. Então eu percebi que ele estaria apenas em um lugar. Olhei para cima, e vi-o flutuando no ar! Como ele conseguia fazer aquilo? Ele estava acima da altura dos telhados dos sobrados. Ele estava parado, olhando para mim.

Não perdi tempo. Com toda a minha força, eu me impulsionei e tentei atacá-lo novamente. Mas ele se esquivou. Diante de meus olhos ele novamente desapareceu, esquivando-se de meu ataque. Derrepente, ele surgiu e me contra-atacou. Desferiu-me um golpe muito poderoso. Fiquei sem ar. Logo em seguida ele me deu mais um golpe e com a força deste, fui arremessado ao chão a centenas de quilômetros por hora!

O choque com o solo foi tão grande, que o impacto causou uma grande cratera na rua.

Aquele golpe que recebi foi muito poderoso. Fiquei muito machucado. Minhas roupas pareciam trapos de tão rasgadas que ficaram. Perdi tanta energia, que não conseguia me manter transformado e voltei ao “estado normal”.

Dolo voltou ao solo e eu continuava caído, sem conseguir nem ao mesmo levantar. Ele apenas olhava com o mesmo olhar que no principio sem dizer uma palavra sequer.

Mas eu não me dei por vencido, levantei e mesmo muito machucado, tentei atacá-lo novamente. Mas tudo o que eu fazia era em vão.

Por fim, ele me golpeou mais uma vez e fui arremessado há alguns metros dali. Ele por sua vez, ficou onde estava. Mesmo muito ferido, consegui me levantar com muitíssima dificuldade. A esta altura, meus braços e costelas estavam quebrados. Eles estavam imóveis e era muito difícil me manter em pé. A luta estava perdida, mas eu não quis me dar por vencido.

Eu apenas esperava o golpe final dele. Entretanto, derrepente, Pérdula apareceu na zona de combate. Talvez ela tenha saído de dentro de sua própria casa, não sei.

Ela estava próxima de onde ele estava. Mesmo eles tendo um relacionamento, ele havia machucado ela antes. Fiquei apavorado e gritei com toda a energia que me restava:

PÉRDULAAAAA!!!! SAÍ DAÍ!!!! É MUITO PERIGOSO!! DOLO ESTÁ MUITO FORTE!!!

Fiquei perplexo! Pérdula continuava ali como nada estivesse acontecendo e por isso gritei novamente:

PÉRDULAAAAA!!!! SAÍ DAÍ!!!! SAÍ DAÍ!!!! É MUITO PERIGOSO!! DOLO ESTÁ MUITO FORTE!!!

Parecia que desta vez ela tinha ouvido. Ela se virou e olhou para mim. O olhar dela estava diferente e isso me deixou muito assustado.

Ela lentamente caminhou em minha direção e derrepente desapareceu e me atacou com um golpe extremamente forte. A dor foi muito maior que todos os ataques que eu recebi de Dolo ou de qualquer outro oponente que havia lutado contra mim. Eu não conseguia respirar dei uns passes para trás para fugir, mas cai no chão desmaiado.

Não demorou muito recobrei a consciência. Eu não tinha mais energia para nada. Com muita dificuldade, e com muitas lágrimas em minha face, percebi que ela estava ali perto olhando para mim com um olhar muito frio. Meus olhos se encheram de lágrimas e sussurrei, dizendo:

- Pérdula... Por quê?!...”

Depois desmaiei novamente e ela se preparou para me dar o golpe final....

Ao se deparar com essa cena, Danilo acordou instantaneamente de seu sono e gritou:

- NÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃOOOOOOOO!!!!!! (Danilo acordou muito assustado, soado e muito ofegante).

Ele senta na cama, olha para todos os lados, sente o silêncio da noite e ao fundo apenas os grilos cantando suavemente e percebe que tudo aquilo era apenas um sonho. Ele dá um profundo suspiro e volta a deitar-se.

Enquanto isso, seu grito foi ouvido em vários motor homes e muitas pessoas acordaram assustadas com o barulho. Alguns ali saíram de dentro de seus estabelecimentos para descobrirem o que estava acontecendo. Pela voz, o engenheiro de Danilo, Filipe Massa, e Rubenss Barriguello identificaram que se tratava de Danilo.

Eles rapidamente vão ao quarto de Danilo e batem na porta dizendo:

- Danilo, está tudo bem?

Ele responde:

-Sim, sim!

Um deles pergunta novamente:

- O que aconteceu?!

(Danilo) – Desculpem, foi apenas um pesadelo....

(Filipe) – Você é louco? Como que você dá um grito desses por causa de um pesadelo? Você viu um monstro?

(Danilo) Desculpe! Foi sem querer!

Eles novamente batem na porta. Danilo se levanta, acende a luz de seu quarto e vai em direção à porta para abri-la. Ele abre e sem perceber que a porta está aberta, Barriguello continua batendo e acaba batendo no nariz de Danilo.

(Barriguello) – Ho! Desculpe! Foi sem querer... Tem certeza que está tudo bem? Com a mão sobre o nariz, ele responde:

(Danilo) – Eu acho que sim! Só não sei agora que levei essas pancadas... Aííí!

(Barriguello) – Foi sem querer... He! He! He!

(Engenheiro) – Ahh! Então está tudo bem né? Boa noite, boa noite para vocês, vamos embora e vamos dormir porquê temos um dia muito difícil amanhã!

Massageando a ponta do nariz, Danilo responde:

– Boa noite, obrigado pela preocupação e me desculpem...!

(Barriguello e Filipe) – Boa noite...

(Danilo) – Boa noite e me desculpem..

(Engenheiro) – Está bem, não foi nada!

Todos voltam para os seus aposentos, apagam as luzes e voltam a dormir.

Na manhã seguinte, tivemos outra surpresa na Sessão Classificatória: Jeason Button conseguiu novamente colocar sua equipe na ponta do grid, por conseguir o menor tempo combinado da sessão. A BAR não conseguia fazer isso desde 2004.

Michel Schumacher conquistou sua melhor marca no ano e, largará em 2º. Alonzu largará em 3º e Fisichella em 4º. Kini Haikkonen da McLaren, não conseguiu uma boa somatória e largará em 7º, atrás do De La Flor. Diferente dos dois últimos GP´s, os carros da Williams largarão quase no final do grid. A explicação é que, os motores BMW não estavam muito fortes naquele ano. Visto que os circuitos de Nurburgring e Mônaco não precisam de muita velocidade, estes pilotos se beneficiaram com as características daquelas pistas, diferente do circuito do Canadá onde a velocidade final vale muito.

A grande decepção ficou por conta de Danilo que teve um desempenho no Classificatório para ser esquecido. Teve tantos problemas que nem mesmo marcou tempo e largará em último.

Este resultado fez a imprensa e, especialmente uma grande massa de torcedores, a pressioná-lo duramente.

A corrida será no dia seguinte. Há possibilidade de chuva. Isso tornaria o evento ainda mais interessante. Como será a corrida do GP do Canadá?

(Contínua no próximo capítulo | Confira também a tabela do campeonato)

Gostou da histórinha? Compartilhe agora com os amigos: