Danilo Santos As Crônicas de um Piloto

Crônicas de Danilo Formula 1

As Crônicas de um Piloto

Capítulo 10 — Uma Nova Esperança

— QUANDO o chefe da família não paga o imposto mensal, eles primeiro o sequestram, alguns são executados e por fim queimam suas casas com tudo que tiver dentro, sem se importar com nada – diz a senhora. - Aí meu Deus, não sei o que vão fazer com meu marido!

Danilo se descobre de seu cobertor levanta da cama e lhe diz:

— Não se preocupe minha senhora eu trago seu marido de volta com vida

— O que?? Diz João e Gin espantados!!

— Não se preocupe! Eu me encarrego de derrotar esse exército sem o menor problema! – Afirma Danilo com muita convicção.

— Como você vai fazer isso??? Eles são homens fortemente armados!! Tem armas até os dentes! – Afirma João ainda muito espantado!

“é verdade!!” disse a pobre senhora “eles tem armas super modernas, nunca ninguém conseguiu entrar na fortaleza deles e voltarem com vida” conclui ela.

— Uma vez nosso grupo juntou 500 guerrilheiros para lutar e invadir a fortaleza do Esperança Azul e todos foram derrotados em poucas horas e seus corpos ficaram pendurados na praça pública para lembrar a todos da cidade que quem ousasse desafia-los aconteceria o mesmo. Eu fui o único sobrevivente daquela tragédia. – Lembra João.

— E você pretende ir sozinho? – Pergunta Gin.

— Mas é claro!! – Responde Danilo muito confiante.

— Eu só preciso que digam onde fica a tal fortaleza deles. – conclui o piloto.

Enquanto isso, de volta a Europa, Michel treinava muito forte também, ele deseja ser conhecido como o melhor piloto do mundo, ele já é, pois bateu a vasta maioria dos records que poderia ter conquistado. Mas agora, ele quer ser o primeiro piloto a conquistar sete títulos mundiais de Formula 1.

Enquanto ele treina, sua mente volta a 13 anos atrás quando entrou na Formula 1.

LEMBRANÇAS:

(Ferdinan Jordan. Chefe da equipe) – Meu jovem rapaz, você é um bom piloto, mas pilotar um

Formula 1 é algo totalmente diferente de tudo o que você tenha visto. Não posso colocar você na pista esse ano, você nunca correu em um carro de Formula 1. Você foi campeão em todas as categorias que participou, você não é de se jogar fora, terá sua oportunidade um dia!

— Eu substitui o piloto titular e fiz minha estréia na Jordan em 1991

— Minha Benetton verde e amarela! Com ela passei a disputar ponto-a-ponto com os "grandes", inclusive com ela que venci minha primeira corrida!

Eu entrei numa equipe de Formula 1 como piloto reserva, uma equipe novata, que estreou no GP de Phonex, EUA, no ano de 1991, chamada de Jordan.

A equipe era muito fraca, sempre estava lá atrás no grid. Contudo, no décimo GP do ano, um dos pilotos se acidentou gravemente na pista e não poderia participar do próximo GP.

Ferdinan Jordan precisava de um de seus dois pilotos reservas, mas nenhum tinha experiência em F1. Ou ele colocava um piloto substituto na pista ou pagaria uma pesada multa ao seu até então patrocinador. Ele disse:

— Preciso de um piloto para o GP da Bélgica, mas não tenho nenhum piloto com experiência em Formula 1. Por isso eu preciso saber se um de vocês já tenha corrido alguma vez nesse circuito...

Eu levantei a mão com empolgação e respondi:

— Eu sei! Eu já corri aqui!

— Você???? – Respondeu ele impressionado.

Só que na verdade eu nem fazia idéia de como é correr naquele circuito, eu nunca tinha feito isso na vida. Felizmente deu tudo certo, e consegui terminar em 6º logo em minha estréia e o primeiro ponto da equipe.

Todo mundo começou olhar para mim com “bons olhos”. Logo o chefe da equipe Benetton deu um jeitinho, na época era o Flávis Triattori, “esperto” como ele é, me contratou para a corrida seguinte e tive o privilégio de estar numa equipe junto com um tri-campeão mundial, Nelzon Pequit.

Minhas vitórias logo chegaram no ano seguinte, Pequit foi embora, mas pude disputar corridas com Naidiou (Mansel) e o Senna, depois o Prost no ano seguinte.

Eu respeito o Damon, fico contente com o meu título naquele ano. Mas concerteza teria sido tudo mais dificil e bem mais divertido se o Airton estivesse vivo.

Formula 1 - As Crônicas de Um Piloto - Danilo Santos F1 Challenge Brandão

Formula 1 - As Crônicas de Um Piloto - Danilo Santos - Jordan 1991

Formula 1 - As Crônicas de Um Piloto - Danilo Santos - Benetton 1993

Formula 1 - As Crônicas de Um Piloto - Danilo Santos

Formula 1 - As Crônicas de Um Piloto - Danilo Santos -  Schumacher em Imola

Formula 1 - As Crônicas de Um Piloto - Danilo Santos

Formula 1 - As Crônicas de Um Piloto - Danilo Santos

Minha Benetton em 1994 era bem colorida mais colorida. Eu disputaria com Senna, seria um ano muito legal, pois era o piloto a ser batido na época, mas quem bateu foi ele em Imola, e também o Rolando, foi muito triste para todos nós pilotos, eu ganhei aquela corrida, mas foi uma vitória muito triste.

— Talvez eu nunca esqueça aquela imagem, bem na minha frente, ver meu colega indo reto e se esborrachando no muro.

— Eu respeito o Damon, fico contente com o meu título naquele ano. Mas concerteza teria sido tudo mais dificil e bem mais divertido se o Airton estivesse vivo

— Me senti obrigado a tirar o Rill da corrida, senão eu não seria campeão naquele ano

— Minha Ferrari FW 2002, foi o meu melhor carro de todos. Admito que o Barriguello ajudou um pouco, mas foi muito fácil ser campeão naquele ano!

Depois começou o Damon Rill a disputar comigo. Hooo cara chato foi ele! Que “guerra” travamos naquele ano, eu batia no carro dele, ele batia no meu carro, e por fim sei lá que deu em minha na última corrida que bati sozinho,,daí hehehe, fui obrigado a fechar ele e tirar ele da corrida, deu certo...hehehe!

— Me senti obrigado a tirar o Rill da corrida, senão eu não seria campeão naquele ano.

Em 1995 não foi muito diferente, consegui ser campeão e em 1996 fui para onde estou agora. Esforcei-me muito em 1996, 1997...mas o carro não ajudava muito.

Na última corrida em 1997, eu me senti forçado novamente a fazer como eu fiz em 1994, joguei meu carro para cima do Jackes Villeneuve, mas me dei muito mal. Ele foi campeão e ainda fui desclassificado do campeonato.

Em 1998 quase consegui e 1999 aquela batida que quebrei a perna, aquele ano daria para mim, mas só voltei no final do ano para correr.

Em 2000 finalmente consegui alcançar meu amigo Senna, sendo tri, e 2001 superando ele sendo tetra. Eu quase abandonei a Formula 1 naquele ano, a morte de meu querido pai e aquele atentado terrorista nos Estados Unidos me abalaram muito, mas consegui superar o suficiente para seguir em frente.

— Minha Ferrari FW 2002, foi o meu melhor carro de todos. Admito que o Barriguello ajudou um pouco, mas foi muito fácil ser campeão naquele ano!

Essa foi a temporada mais mais fácil para mim, ganhei todas as corridas que precisava, eu estava imbatível... foi muito fácil, sem graça. 2003, minha mãe morreu, mas consegui ser o campeão, foi até mais difícil, mas não tanto assim. Agora eu preciso me esforçar muito, porque Danilo, Takuma e Kini estão muito fortes.

Preciso treinar muito, talvez esse ano seja o mais difícil de todos, o mais desafiador, se eu conseguir ser campeão eu acho que o ano que vem eu paro, ta na hora de eu curtir a família, minha vida. Aqui também é minha vida, amo o automobilismo, mas preciso dar importância no que tem mais valor que é minha família.

FIM DA LEMBRANÇA

Depois de explicarem como chegar à fortaleza, Danilo se prepara para iniciar sua nova missão. Gin ainda é um garoto de 17 anos. Entretanto com coragem ele diz:

— Eu vou com você!! Eu quero ajudar!

Danilo respondeu:

— Não! Eu vou sozinho!

— Por favor!! Deixa eu ir, eu sou forte! Posso ser-lhe útil – Insiste o garoto!

Explica Danilo bondosamente:

— Eu sei que você é forte! é por isso que você deve ficar aqui cuidando de sua família e de seus irmãos! 

(Danilo) – João! Vá agora até um posto policial mais próximo da região ou o exército nacional e avise para que eles apareçam na região da fortaleza do Esperança Azul em aproximadamente 1 horas.

— Ta!

Todos estavam ainda surpresos com a essa idéia. Mas agora todos os habitantes da cidade dependem dessa operação.

Danilo partiu para a região montanhosa onde fica a fortaleza dos guerrilheiros. Gin tranca as portas de sua casa e João segue correndo em direção ao posto da cidade mais próxima. Significa que se ele correr nesse ritmo, chegará ao posto militar em cerca de 40 minutos.

Danilo prefere seguir a pé discretamente, e finalmente chega à primeira “barreira militar” da fortaleza com 2 soldados de vigia.

— Aonde você pretende ir? – Pergunta um dos soldados.

— Passar! – Responde Danilo

— Aqui é uma área restrita, você não pode passar aqui! Se você não sabe aqui é território de nossa facção! – Avisa o soldado num tom ameaçador!

Danilo olha para ele e diz:

— Ram! Eu sei!! Vou passar assim mesmo!
Os soldados sacam suas armas, apontam a ele e o ameaça dizendo:
- Escuta aqui garoto! Ou você vai embora ou vamos te encher de furos!

Danilo numa velocidade extraordinariamente rápida golpeia os dois homens, tão rápido o ataque que sem dúvida nenhuma se deram conta o que aconteceu. Ele segue em frente.

Uma patrulha de cinco homens que estava próxima aos dois que foram golpeados tentou fazer contato com estes, mas sem sucesso. Estranharam e foram verificar o que aconteceu, quando eles cruzam com Danilo.

Esses estavam fortemente armados com metralhadoras e fuzis. Sem avisar eles atiram em direção do jovem piloto mas nenhum tiro o atinge e num novo ataque super rápido Danilo golpeia mais 5 homens.

Até chegar a entrada, ele se depara cada vez mais com guerrilheiros cada vez mais fortemente armados com metralhadoras, bombas, mísseis, tanques e até máquinas de combate, parecido com robôs, que equivale a uns 4 soldados muito bem armados. Todo o exército da facção é mobilizado ao encontro de Danilo para abatê-lo.

Na cidade, a kilometros de distância, os moradores, inclusive Gin consegue ouvir o barulho da batalha, das explosões. João continua correndo e começa a aproximar do posto militar.
Todas as balas, todas as bombas Danilo consegue desviar, os soldados da facção atira contra o jovem, desesperadamente, mas sem o menor sucesso.

Quando ele os ataca, simplesmente não sabe o que os atingiram. Danilo já derrubou centenas de homens do Esperança Azul e quando se depara com o enorme portão blindado da fortaleza com muralhas de 20 metros de altura, ele consegue derrubar outros 300!! Praticamente não existe mais exército!! O restante acabou fugindo.

(Continua no próximo episódio...)

Enquetes

Você está gostando, ou gostou da história "As Crônicas de um Piloto?"
Muito
Gostei sim
Gostei um pouco
Não gostei


Que Nota você daria para esta página?

8-10 5-7 4-6 0-3

Resultado

Gostou da histórinha? Compartilhe agora com os amigos: